terça-feira, abril 25, 2006

A não noticía

Quis hoje o destino, dia em que se comemora a libertação de Portugal da opressão do regime totalitarista, fascista, centralista e castrador de Oliveira Salazar, dar-nos mais uma prova evidente de como ainda povoam actualmente na sociedade Portuguesa, passados que estão mais de 30 anos da revolução, resquicios de quem ainda não se adaptou aos tempos da liberdade de pensamento, liberdade ideologica e libertação do centralismo então vigente, e um desses casos falagrantes é o pasquim A Bola e sua respectiva 1ª pagina de hoje.

Não é de todo alheio o facto deste pasquim evidenciar nos tempos que correm, laivos de um proteccionismo desmedido ao poder centralista (clubes da 2ª circular, entenda-se), em razão da linha editorial de A Bola ter co-existido e pactuado, com o então regime inquisidor da 2ª Republica. Só assim se explica a 1ª pagina que o pasquim A Bola hoje apresenta.

O destaque dado (a muito custo) ao sucesso desportivo vindo do Norte tinha de ser abruptamente quebrado, não poderia de forma alguma continuar, nada mais facil do que se criar uma NÃO NOTICIA. A NÃO NOTICIA que esse mesmo pasquim, numa situação tudo identica verificada exactamente há um ano, não destacou e omitiu, deliberadamente, por a linha editorial desse jornaleco considerar que não encaixaria nos padrões de subserviência do poder centralista bacoco.

Os ventos não correm de feição para o poder centralista e para pasquim nojento que se dá pelo nome A Bola. As noticias que do Norte chegam são como facas atravessarem-se-lhes no peito. Não, não podem ser verdadeiras. Não pode ser verdade que afinal o FC Porto é uma vez mais Campeão Nacional, não pode ser verdade que afinal Pinto da Costa está ilibado dos crimes de que era acusado nesse “apito estourado”, não pode ser verdade que o Presidente da FIFA desmentiu essas informações de pressões para colocar o jogador com mais titulos no Mundo a actuar na Selecção Nacional.

Isto só pode ser um pesadelo. Não, isto é um pesadelo, um drama, uma catastrofe ou uma cabala, manietada por esses “corruptos” do Norte, que nunca ganharam nada que não fosse “comprado” ou extorquido.

Obrigado pasquim A Bola por existires, por provares a todos nós o que era viver no regime castrador e centralista do Estado Novo, por nos provares de como as linhas editoriais desses pasquins Lisboa desprezam tudo aquilo que vem do Norte, por nos provares que as vitórias do FC Porto têm sabor único, por nos provares que o povo do Norte é sem qualquer duvida o povo mais forte!

segunda-feira, abril 24, 2006

A mediocridade da "Capital do Imperio"

Uma vez mais, confirmando a sua posição dominante desde que existe Democracia, o Futebol Clube do Porto torna-se Campeão Nacional.
Com a capacidade de nos espantar com muito daquilo que já se sabe de antemão que irá acontecer, tem-se visto e lido o que tem aparecido nos media acerca deste título - quase nada!Este título foi disputado até à jornada anterior e o interesse da comunicação social manteve-se até aí, mas mal se tornou claro que o Futebol Clube do Porto iria vencer, o caso foi dado como uma não-notícia, algo que não valia falar, nem realçar.
Contrastando, obscenamente, com a euforia, provinciana encarnada de há 1 ano, em que a coisa foi tratada como se o destino do país estivesse em causa (todos fingindo ignorar que esse título tinha sido ofertado à equipa mais fraca que há memoria para ser campeã).
Agora passa-se precisamente o contrário, não se fala, pouco se diz e tudo acontece como se ordem natural das coisas se processa-se tranquilamente. Melhor assim. Embora as razões profundas que levam essa gente a tentar ignorar o que é óbvio sejam muito diferentes e estejam na raíz do país pequenino que somos e seremos: Parciais, mesquinhos e sem preocupações especiais em denotar um pingo de vergonha na cara. Uma vez mais, melhor assim, para a excepção azul e branca, na monotonia da mediocridade portuguesa...

Mais uma vez, o que se ouve é Benfica. E Benfica cantam para festejar. De certeza que um pouco de psicanálise e tratamento médico resolve essa neurose à volta do Benfica. E como o vosso presidente pediu : foi reposta a legalidade. Já bastou o ano passado, em que lá tivemos que ver, escarrapachado nos nossos olhos, um dos porquês do nosso sub-desenvolvimento.

Saudem o Campeão 2005/06

Lisboa adormeceu cansada, triste e com inveja. Poucas buzinas, mas ainda assim marcando a presença. Gente no Bairro com camisolas de 2003 e de 2004. Lisboa foi dormir incrédula, perante mais um título do FC PORTO, essa equipa que, segundo a imprensa, não existe, não é importante, não vende jornais e não tem adeptos. Essa equipa mísera, regional e insignificante.

É sempre com incompreensão que Lisboa acorda, no dia a seguir a mais um título do FCP. Como é possível? Tem e haver uma razão qualquer! Não tarda, aparecem notícias que o Apito Dourado não funciona, e que o Sistema está dominado. Não tarda aparecerão notícias sobre Pinto da Costa, alcovas e alguidares. Não tarda aparecem os teóricos a explicar como é injusto mais este título.

Uma coisa já e conseguiu: para 5% da massa anónima galinacea , este título é justo. O que é um aumento de 500% em relação a todo e qualquer outro que tenhamos ganho. Raramente ou nunca o Porto ganhou um título merecidamente para esta gente

segunda-feira, março 20, 2006

Um Sapo Para(ty), Benf7ca, em Vila do Conde


«Resultado é um mentira»

Presidente do Rio Ave indignado: Paulo Carvalho manifestou hoje a sua revolta face à actuação da equipa de arbitragem no jogo com o Benfica, que os «encarnados» venceram por 1-0. O presidente do Rio Ave afirma que «o resultado é uma mentira» e promete expor o caso à Liga.

«O resultado é uma mentira. O Rio Ave está a preparar uma comunicação sobre o assunto. Não posso deixar de dizer que esta arbitragem causou muito mau-estar», afirmou Paulo Carvalho, em declarações à Renascença, salientando que o seu clube não pode sair prejudicado com a «pressão» que se faz sentir sobre os árbitros: «É verdade que houve alguma pressão colocada sobre o árbitro e sobre a arbitragem portuguesa nestas últimas semanas. Mas o Rio Ave e os clubes pequenos não podem ser vítimas dessas pressões. Os erros admitem-se mas não tantos como os que se verificaram neste jogo».

O dirigente considera que o clima de «pressão» não foi criado única e exclusivamente pelas declarações de José Veiga, atribuindo culpas igualmente à Comissão de Arbitragem da Liga.
«Não foi só José Veiga. Até pela própria Comissão de Arbitragem tem sido colocada pressão sobre os árbitros. Se não veja as nomeações que têm sido feitas, quer dos auxiliares quer dos próprios árbitros. A Comissão não tem defendido os interesses da arbitragem e tem prejudicado individualmente e de forma grave alguns árbitros portugueses», acusou.

85' É correcta a indicação do árbitro assistente Nuno Manso para o juiz da partida, considerando que, no lance do golo anulado ao Rio Ave, a bola cruzada por Danielson já tinha ultrapassado a linha de baliza?

JORGE COROADO
Não sendo totalmente fiável, a imagem permite fazer o juízo de que a bola não ultrapassou a linha de baliza antes de ser cruzada para o jogador do Rio Ave obter golo. É certo que o árbitro assistente estava em boa posição, mas também é certo que tinha alguns jogadores pela frente. Mas a forma como a bola é cruzada deixa perceber a injustiça da decisão.

SOARES DIAS
Pelas imagens, fica a ideia de que a bola não terá ultrapassado a linha de baliza antes do cruzamento para o golo do Rio Ave. Mal anulado o golo ao Rio Ave, por indicação do árbitro assistente.

ROSA SANTOS
A bola ainda não tinha saído do terreno de jogo quando é cruzada para o golo do Rio Ave. Golo mal anulado, num mau auxílio do árbitro assistente.

ANTÓNIO ROLA
Independentemente de o árbitro assistente se encontrar no enfiamento da bola, terá, com certeza, sido estorvado pela presença de alguns jogadores, o que lhe dificultou a visibilidade. As imagens da televisão mostram que o jogador do Rio Ave jogou a bola dentro do terreno de jogo. Mal a decisão do árbitro assistente que levou à anulação do golo do Rio Ave.

90'+3' Deveria o golo do Benfica ter sido anulado por pé em riste de Mantorras?

JORGE COROADO
Mantorras levantou o pé bem acima da cabeça do jogador do Rio Ave que se preparava para cabecear a bola. Fez jogo perigoso activo, não sancionado, mas, numa situação como esta, colocava-se sempre a decisão em validar o golo ou assinalar falta. Não deixa, no entanto, de ser jogo perigoso activo.

SOARES DIAS
Pelas imagens, vê-se claramente que Mantorras levanta a o pé para disputar a bola à altura da cabeça do adversário, devendo considerar-se jogo perigoso activo. O golo deveria ter sido anulado, marcando-se falta contra o Benfica.

ROSA SANTOS
Lance é de difícil análise. Dois jogadores disputam a bola e aceitava-se a interpretação de que Mantorras terá feito jogo perigoso activo.

domingo, março 12, 2006

Os pasquins do costume...

Já sei que me vão dizer que este é um assunto com barbas, mas não me consigo conter e não me calarei.

Esta semana a generalidade da imprensa provou-nos uma vez mais qual a estratégia por si delineada e todos os seus critérios de igualdade e isenção, como muito fazem questão de afirmar os directores e chefes de redacção dos diarios desportivos deste país acéfalo.

Ao passar hoje por um escaparate de um qualquer quiosque deste país nem teria reparado que o lider do campeonato Português ontem jogou, pois olhando para a 1ª pagina deste pasquim (a capa da Bola tambem não é muito diferente), quase nem reparava na vitória de ontem do FC Porto, que o deixa cada vez melhor posicionado para alcançar o titulo nacional.

A verdade é que este critério?!? aberrante, acéfalo e de uma enorme falta de isenção já não vem de hoje, basta fazermos uma pequena comparação do criterio usado pelo jornaleco Record, que se diz isento, em situações identicas;

Como podemos observar nesta imagem, vemos a capa deste jornal, no dia em que o Benfica ia disputar os oitavos de final da Champions, a dar um grande destaque (e muito bem) a essa partida.
Contudo no dia em que o FC Porto disputou o jogo da meia-final da mesma competição, á cerca de dois anos, podemos verficar nesta imagem o tratamento completamente antagonico dado por este pasquim ao serviço da “Nação”!

É com situações aberrantes e inequivocas como estas que me dá uma enorme vontade de rir quando vejo alguns pseudo-intlectuais da treta a afirmar sem materia de facto de que o FC porto é quem controla a generalidade da imprensa de Portugal!

quarta-feira, março 08, 2006

O Galinheiro oferece viagens!

Veiga convidou Devesa Neto

Devesa Neto foi uma das caras conhecidas entre os adeptos que viajaram com a equipa até Liverpool. O antigo árbitro auxiliar esteve no centro de uma recente polémica, devido a um jantar com o director-geral da SAD benfiquista, José Veiga, denunciado por Pinto da Costa, e tambem de ter sido o auxiliar do famoso Estoril-Benfica no Algarve

“Estou com o Benfica, pois sou convidado de José Veiga. Como adepto do clube assumido, é com muito prazer que o faço”, confidenciou na Portela. Devesa Neto não teme que a viagem origine novas acusações. “Sou um homem livre. Se isso acontecer, reagirei com calma e também com alguma vontade de rir.”

Afinal no Galinheiro tambem se oferecem viagens!

terça-feira, fevereiro 28, 2006

A denuncia

O que foi fazer Pinto da Costa na passada semana à Liga de Clubes, onde esteve reunido com Luís Guilherme? O Anti-Galinhas dá-lhe a resposta: o presidente do FC Porto foi entregar ao presidente da Comissão de Arbitragem da Liga um documento assinado que compromete um árbitro da 1.ª categoria e um árbitro assistente já fora do activo.

Segundo o que conseguimos apurar, o presidente portista recebeu uma denúncia de uma figura pública, cuja identidade desconhecemos, a propósito de uma conversa que ouviu, num local público, entre o árbitro e o ex-árbitro assistente, no sentido de causar prejuízos directos ao FC Porto. O presidente portista terá pedido a essa pessoa para pôr no papel tudo o que lhe disse e foi isso que foi feito.

Além de ter assumido por escrito o que ouviu, essa mesma pessoa juntou elementos que permitem identificar outras testemunhas dessa conversa que pode agora dar origem a um inquérito a decorrer na Liga de Clubes.

Indignado com o teor da denúncia, Pinto da Costa expôs os factos a Luís Guilherme.

Agora quero ver o que têm para dizer a Amélia do Major Al Beiga que ontem andou por aí a ladrar sobre o encontro entre PC e Luís Guilherme (que para quem tem memoria curta, foi colocado no cargo de Presidente da Comissão de Arbitragem da Liga pelo benfica)!

Quem terá sido o arbitro? O Lucilio Calabote? O Helio Santos? O João Ferreira?

Que conversas teram sido aquelas e onde terão sido realizadas? No Sapo? Dentro de uma Jarra?

domingo, fevereiro 26, 2006

Centro de "estado" do Benf7ca


Governo altera Lei para autorizar Centro de Estágios do Benfica

O Governo aprovou hoje a revogação de um Decreto-Lei de 1965, que definia as faixas de terreno protegidas, em que não era permitido construir, ao longo dos traçados ferroviários da margem sul do Tejo. Tudo para permitir que ali nasça o novo Centro de Estágios do Benfica.

As faixas de terreno ao longo do traçado estavam reservadas ao projecto de prolongamento das obras relacionadas com as linhas férreas da margem sul do Tejo, mas, para a sua revogação, o Governo alega ter verificado que «os projectos nele previstos há muito que deixaram de apresentar viabilidade», refere, em comunicado do Conselho de Ministros.

A revogação vai agora permitir «a utilização do espaço para outras finalidades, indo de encontro ao interesse municipal, no que concerne o desenvolvimento integrado da área e, no caso concreto, a instalação do futuro Centro de Estágios do Sport Lisboa e Benfica no Seixal».

O projecto, avaliado em 15 milhões de euros, surgiu em 2000, quando Vale e Azevedo estava ainda à frente dos destinos do clube e adquiriu os terrenos por um milhão de euros. O projecto caiu no esquecimento entre o ruído do processo Euroárea, que acabou por conduzir Vale e Azevedo à cadeia, mas foi recuperado em 2003, por Manuel Vilarinho. Só em Junho de 2005 é que a construção viria a entrar em velocidade cruzeiro. Em Setembro, os seis campos de futebol, três relvados e outros três sintéticos, estavam concluídos.

O Centro estende-se por um terreno de cerca de 15 hectares, a meio quilómetro do centro do Seixal, junto ao rio Tejo.